15 – Três irmãos

14 – Meu filho é virgem
2 de dezembro de 2017
(Versão Antiga) 01 – Nunca me Esquecerei
9 de dezembro de 2017
Show all

15 – Três irmãos

 Mansão do 3º Élder Leão Azure

 

— E agora, o que faremos? — Perguntou Azemir.

— Sei lá. — Respondeu Zorgnatron.

— É melhor pensar em algo, porque querendo ou não, tudo gira em torno de você meu filho. — Disse Zafiryel.

— Eu sei, eu preciso me acostumar com isso ainda. A pouco mais de um mês atrás eu era só um garoto que amassava plantas e as misturava na água, agora tudo isso está acontecendo, não é que eu não quisesse isso mas… Eu sinto que daqui pra frente as coisas vão ficar cada vez mais difíceis. E isso meio que me assusta. — Disse Zorg de forma apreensiva.

— Isso é normal, filho. Você foi agraciado com um grande poder, e com grandes poderes vem grandes responsabilidades. Sabe o que eu faria se eu fosse você? — Perguntou Azemir.

— O que pai? — Perguntou Zorg.

— Não sei… Eu não faço ideia. Não imagino o que eu faria se eu fosse você. — Respondeu Azemir colocando a mão no ombro de seu filho.

— (Valeu pai, isso me ajudou muito.) — Pensou Zorg.

— Sabe o que isso quer dizer? Quer dizer que esta é a sua história filho, é você quem vai escrever os próximos capítulos de sua vida. O caminho que você tem de trilhar está reservado apenas para você. Sua mãe e eu podemos apenas apoiá-lo em suas decisões e fazer o possível para lhe ajudar, mas as decisões tem de ser tomadas por você.

— Suas experiências são únicas, é incrível pensar que você é a única pessoa existente que pôde experimentar dos dois lados deste mundo de forma inversa. Nós já vimos manipuladores de Shakti se tornarem humanos comuns devido a ferimentos de batalha, mas nunca houve alguém que vivesse como um humano comum e depois se tornou um manipulador de Shakti. Pense um pouco sobre isso, talvez possa te ajudar a tomar uma decisão.

Todos permaneceram em silêncio por um tempo e Zorg começou a meditar em tudo o que havia acontecido até agora. Suas visões, frustrações, experiências, tudo deve estar ligado de alguma forma, e ele deveria descobrir o seu propósito. Depois de um tempo de reflexão, ele foi capaz de tomar algumas decisões.

— Certo, acho que podemos começar então. — Disse Zorg.

— O que você pretende fazer agora? — Perguntou Zafiryel.

— Quero ganhar a confiança desses dois.

— Então você vai retirar a marca da alma deles? — Perguntou Azemir.

— Por enquanto não, mas futuramente sim. Por hora eu irei apenas liberar suas consciências e permitir que controlem seu próprio corpo.

Assim que Zorg terminou de falar, ele começou a fazer alguns selos de mãos. Ao mesmo tempo, a marca na testa de cada um dos irmãos apareceu e começou a brilhar, Zorg juntou as mãos e disse:

Liberação de Consciência! 

Os irmãos voltaram a si e, assim que voltaram, algo veio a mente de Sayuri e ela começou a chorar mas, quase que instantaneamente, uma luz dourada brilhou em sua cabeça e ela voltou a ficar calma e com o mesmo olhar sem vida e distante de antes.

Zafiryel cerra seus olhos enquanto observa a mudança de Sayuri.

Assim que Aldebaran percebeu onde estavam e viu que sua irmã havia chorado, imediatamente ele saltou agarrando Zorg pelo pescoço, afundando-o na parede.

— Seu miserável, o que você fez com a minha irmã? Eu vou matar você! — Esbravejou Aldebaran.

— Eu não faria isso se eu fosse você. Além de minha esposa e eu podermos matá-los a hora que quisermos, a marca de suas almas estão sob controle de meu filho, se você matá-lo, você e sua irmã também morrerão. — Disse Azemir.

Ao ouvir as palavras de Azemir, Aldebaran hesitou por um momento afrouxando um pouco o pescoço de Zorg, logo em seguida ele direcionou seu olhar para sua irmã e ao se lembrar de tudo o que ela passou bem diante de seus próprios olhos sem que ele pudesse fazer nada, uma profunda tristeza seguida de fúria preenchia todo o seu ser.

— Talvez a morte seja a melhor opção para nós dois. — Disse Aldebaran friamente enquanto apertava o pescoço de Zorg com ainda mais força.

— Tem certeza que quer morrer tão fácil assim? Vocês não tem ninguém esperando vocês voltarem? — Disse Zafiryel.

Ao ouvir as palavras de Zafiryel, Sayuri novamente voltou a si e disse com uma voz trêmula cheia de desespero:

— Irmãzinha… Ela…

Essa simples sentença de Sayuri foi o suficiente para quebrantar o coração de Aldebaran. Por um breve momento, este jovem robusto de personalidade forte e selvagem tentou se segurar, mas aos poucos seus olhos foram se enchendo lágrimas, seu queixo começou a tremer involuntariamente e logo os dois irmãos se abraçam em meio a choros e soluços.

— Olha, eu sei que pode parecer estranho, mas tudo o que nós queremos é ajudar vocês dois. Pode ser difícil ter de confiar em nós assim logo de cara, mas pensem bem, eu possuo a marca da alma de vocês, se eu quisesse, eu poderia usá-la para conseguir qualquer coisa de vocês. Porém, o que eu quero é estabelecer um relacionamento de confiança com vocês dois, então, por favor, nos conte o que aconteceu com vocês. — Disse Zorg enquanto acenava para um de seus servos sinalizando que fosse servido água aos dois irmãos.

Enquanto bebia água, Sayuri acenou com a cabeça para seu irmão como um sinal de que ele poderia contar a eles o que havia acontecido.

— Você tem certeza? — Perguntou Aldebaran.

— Uhum, ele realmente tem o controle sobre nós e se ele quisesse poderia nos obrigar a contar de qualquer maneira. — Respondeu Sayuri.

  • Aaaahhhhh * (Suspiro)

— Tudo bem então, de qualquer forma, não é como se tivéssemos escolha mesmo. Só espero que isso sirva para alguma coisa.

— Nós somos da família Hildegard. Desde que me entendo por gente, nossa família nunca foi presa a um lugar só, somos uma família de mercadores que viaja por todo o continente. Entretanto, essa era a nossa primeira vez na província Leão Azure, nossos pais sempre diziam que em todo o continente, as sete famílias guardiãs eram as mais nobres e poderosas, sempre foi o sonho de meu pai um dia termos estrutura o suficiente para poder atendê-los.

— A mais ou menos dois meses atrás, nós ficamos sabendo que alguém na Cidade Imperial estava requisitando uma grande quantidade de Veias de Kappa ressecada e Chifres de Jinshin Mushi, essa pessoa estava com muita urgência em conseguir esses ingredientes e estava pagando o dobro do preço para qualquer um que lhe fornecesse. Logo, pelo fato de termos viajado por vários lugares, meu pai tinha conhecimento de uma área onde estas duas criaturas eram abundantes, ele disse que esta era uma oportunidade de ouro para nós e que finalmente nossa vida iria mudar e seu tão esperado sonho de poder atender e viajar pelas províncias das sete famílias iria se realizar.

— Partimos em busca dos ingredientes e em menos de uma semana conseguimos obter uma quantidade considerável de todos os itens que aquela pessoa queria, meu pai entrou em contato com ele mas ele não quis nos encontrar, pelo que meu pai me disse, ele enviou um de seus discípulos em seu lugar, além das veias ressecadas de Kappa e os chifres de Jinshin Mushi, ele também acabou comprando uma enorme quantidade de escamas de Víbora Rinoceronte e caule da flor Sangue de Dragão…

— Espera, você está dizendo que todos estes ingredientes foram vendidos para uma só pessoa a menos de dois meses atrás? — Disse Zorg de forma espantada.

— Sim, eu não sei de todos os detalhes, mas segundo meu pai essa pessoa estava em um treinamento intenso se preparando para algum tipo de disputa de posições em alguma guilda ou associação da Cidade Imperial. — Disse Aldebaran.

— Mas o que isso tem haver com o fato de vocês terem se tornado escravos e estarem aqui? — Perguntou Zorg. — (Os ingredientes, as datas, tudo está batendo com o dia da disputa entre Tsung e eu, mas por que Tsung faria uma coisa dessas com eles?) — Pensou.

— Se você esperasse, eu já teria chegado nessa parte. — Disse Aldebaran.

— Delicado como um coice popurou. — Disse Popurou dentro de Zorg.

— … Após as negociações, estávamos todos muito felizes e passamos um dia comemorando a nossa mudança de vida. No dia seguinte, meu pai usou um de seus contatos para conseguir boas mercadorias a um bom preço de revenda na Cidade Imperial para então realizar o sonho de meu pai que era o de viajar pelas províncias das sete famílias e se tornar um mercador de renome na região.

— Ainda ficamos por uma semana na Cidade Imperial comprando e trocando mercadorias para montar um grande estoque das mais variadas armas, armaduras, pílulas e elixires, mas bem quando estávamos no nosso último dia de estadia, a pessoa que havia comprado os ingredientes pelo dobro do preço, acabou vindo até nós pessoalmente com uma fúria de mil dragões, essa pessoa era o Tsung que vocês conheceram no leilão. Ele estava alegando que havíamos passado ele para trás e vendido mercadorias de melhor qualidade para seu concorrente, ele ainda chegou a dizer o absurdo de que seu oponente havia criado a mesma pílula que ele com 150% de pureza.

— Xiiii Mestre, estão falando de você popurou. — Disse Popurou dentro do núcleo de Zorg.

— Por mais que disséssemos que não tínhamos feito nada e que ele era o nosso único comprador, ele não nos deu ouvidos e logo estávamos em uma luta, apesar de ele não ser muito forte, ele possuía várias pílulas e elixires de suporte que o davam um belo complemento em seu poder de luta.

— Com muita dificuldade nós conseguimos escapar. O tempo passou, e a uma semana atrás quando estávamos viajando em direção a capital da Província Leão Azure juntamente com algumas famílias de vendedores itinerantes que conhecemos durante a viagem, fomos surpreendidos por Tsung e mais seis pessoas.

Uma semana atrás, Vale das Rochas Profundas 

O Vale das Rochas Profundas era um lugar bom e ruim ao mesmo tempo. Bom porque as rochas cortavam um belo caminho da Cidade Imperial até a capital da Província Leão Azure, esta era uma rota realmente benéfica para mercadores. Por outro lado, pelo fato deste lugar ser um lugar quase sem vida, repleto de canyons  e vales rochosos, ele acaba abrigando grandes perigos que variam desde a grandes bestas selvagens até vários grupos de salteadores.

Neste momento, um pequeno comboio de dezesseis pessoas, onze adultos e cinco crianças, atravessavam o vale. Todos andavam com os sentidos no máximo a procura de qualquer sinal de perigo. Apesar do perigo que aquele lugar representava, uma pequena garotinha de apenas quatro anos de idade cantarolava alegremente enquanto saltitava ao redor de seu irmão e irmã sem se preocupar com nada.

— O Aldebaraaaan ele é muito forteee, quem brigar com ele só encontra a morteee… — A garotinha repetia incessantemente enquanto andavam.

— HAHAHAHA… — Aldebaran ria satisfeito enquanto olhava sua pequena irmãzinha com um brilho nos olhos.

— Ei Sayami! A irmãzona está triste. Porque só o irmãozão que tem uma musiquinha especial? — Disse a irmã mais velha com uma expressão inconformada.

A pequena garotinha parou de saltitar enquanto colocava seu dedo indicador no queixo como se estivesse pensando em algo muito complicado e importante.

— Mas a irmãzona também é especial, é claro que você também tem uma musiquinha! — Disse Sayami enquanto voltava a saltitar e a cantarolar.

— A Sayuri é lindaaaaa como uma fada, seu poder é puroooo e muito segurooo, se eu me maxucaaaaarr é só ela quem me curaaaarr! — A garotinha cantava e saltitava alegremente enquanto ia alternando entre a melodia do irmão e da irmã.

Ambos Aldebaran e Sayuri estavam felizes em ver sua irmã tão contente. Apesar não terem uma casa fixa e desde o dia em que nasceram sempre estarem viajando de cidade em cidade, os três irmãos eram muito felizes juntos e não sentiam falta alguma de ser uma família convencional.

Enquanto Sayami andava e saltitava, Aldebaran ia fazendo alguns pilares de terra sob os pés de sua irmãzinha de maneira que ela saltava de pilar em pilar enquanto dois pequenos globos de luz feitos por Sayuri flutuavam ao redor de Sayami como se fossem duas fadinhas luminosas. Era uma visão muito bonita e Sayami estava realmente feliz.

— Nossos filhos estão tão felizes não é, marido? — Comentou a mãe dos três.

— Sim, espere até fazermos fama nas sete províncias das famílias guardiãs. * Aaaaahhhh * Finalmente todos esses anos de sacrifício e trabalho duro estão sendo compensados. E pensar que demoraria quarenta e sete anos para que enfim aparecesse uma oportunidade como essa. — Dizia o pai enquanto seus olhos se enchiam de água.

— Desde que te conheci esse sempre foi seu sonho não é mesmo? Dia e noite você sempre trabalhou duro todos os dias, aceitou diversos trabalhos perigosos que pouquíssimas pessoas aceitariam, você sofreu diversas dores mas obteve o crescimento. E por mais que tenhamos crescido em todo o resto do continente, o seu alvo sempre se manteve nas sete províncias. — Disse a esposa de forma nostálgica.

— Já faz muito tempo esposa, mas eu nunca me esquecerei do resplendor que é poder servir uma das sete famílias. — Dizia o homem com um brilho no olhar.

— Uma visita. Bastou uma única visita feita por mim e meu falecido pai quando eu ainda era uma criança, para que as visões e sensações daquele dia fossem gravadas profundamente em minha alma. E hoje, tudo o que eu mais quero é poder proporcionar o mesmo tipo de experiência para nossos filhos. — Dizia o pai, ele estava tão alegre que era como se ele estivesse vivendo um sonho.

Enquanto todos atravessavam o vale e conversavam alegremente sobre os mais variados assuntos, Sayuri, que possui uma percepção muito elevada e estava a frente de seu grupo com seu irmão e irmã, percebe uma movimentação estranha vindo de uma cadeia de rochas a leste de sua posição.

Sayuri acena com a cabeça para seu irmão e rapidamente estremece a sua aura sinalizando para seus pais que algo estava errado.

— Hehe. Tsung, parece que você nos levou a um belo lote de mercadorias, aquela garota foi realmente capaz de nos perceber. — Disse um homem que usava luvas brancas em suas mãos e que possuía um grande anel incrustado com um único e grande cristal vermelho em seu dedo anela esquerdo, este homem era Naozaradan.

Duas pessoas podiam ser vistas no alto de uma rocha a leste de sua posição, Tsung e Naozaradan.

— Se você pensa que conseguirá roubar os nossos produtos você está tremendamente enganado! — Esbravejou o pai de Sayuri.

— Produtos? Hahahaha! Eu estava falando das crianças. — Disse o homem com um olhar frio e sinistro.

Assim que terminou de falar, quatro pessoas saíram por trás de sua sombra com ataques impiedosos, prontos para matar.


Colabore para que O Sétimo Zorgnatron tenha capítulos diários!

Acesse https://www.padrim.com.br/zorgnatron e obtenha mais informações.

Não se esqueça também de curtir a nossa página no Face!

https://www.facebook.com/osetimozorgnatron/

E por último, e não menos importante, não deixe de comentar sobre o capítulo!

 

  • Gabriel Assis

    Meu amigo que isso, eu jurei que a irma deles era a tal de rui…. q vc falou kkk quase que fui tapiado, skapska vlw pelo cap

  • Ruivo

    Meu amigo que isso, eu jurei que a irma deles era a tal de rui…. q vc falou kkk quase que fui tapiado, skapska vlw pelo cap

    • heuheuheuhe Vai demorar muito pra ela aparecer ainda, eu nem cheguei a escrever essa parte, está tudo na minha mente ainda kkkkkk

      • Ruivo

        kkkkkk mas a morena já ta ai ksapksapks

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: